sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

Exposição «Pensamentos Musicados»









Desde o dia 20 de Novembro que nos expositores do átrio da Biblioteca tem estado patente uma exposição elaborada no âmbito do Dia Internacional da Filosofia.





O Dia Internacional da Filosofia é mais um momento propício para se compreender, com Merlau-Ponty, que "a verdadeira filosofia é reaprender a ver o mundo". O Dia Internacional da Filosofia foi instituído pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). Todos os anos este Dia é comemorado na terceira quinta-feira do mês de Novembro.
Este ano, a data de 20 de Novembro constituiu-se em mais um motivo para reconhecermos a vitalidade da actividade filosófica. Ela continua a interpelar-nos, seja nos textos mais elaborados e eternos dos filósofos consagrados, seja, nos poemas de canções, tantas vezes, não devidamente apreciados, mas autênticos lenitivos que engrandecem o dia-a-dia penoso e rotineiro, destituído de Humanidade, com que vamos preenchendo o nosso calendário.
Com esta convicção, foi sugerido, às turmas do 10º Ano A1, A2 e C1, que pesquisassem em poemas e/ou excertos de canções a fala da Humanidade e que os enriquecessem com o auxílio da voz esclarecida dos filósofos e com o contributo criativo e libertador da imagem.
Porquê? Porque a Filosofia é atitude. Ela não é só discurso. Não é mera contemplação. Nem puro ócio. Como disse Séneca nas Cartas a Lucílio, "A filosofia ensina a agir, não a falar".
Professora Mª Alberta Fitas

Eis dois dos trabalhos expostos:





WE ARE THE WORLD





Michael Jackson and Friends

Nós somos o Mundo

Nós somos o Mundo,
nós somos as crianças
Nós somos aqueles que criamos um dia mais brilhante
Então vamos começar a doar
É uma escolha que estamos a fazer
Estamos a salvar as nossas próprias vidas
É verdade que nós vamos criar um dia melhor
Só tu e eu

"As crianças distinguem inequivocamente, por um lado, as regras morais propriamente ditas, consideradas obrigatórias, relativas aos conceitos de felicidade, de justiça, de direitos e fundadas na honestidade e na ideia de evitar fazer o mal, e, por outro lado, as regras convencionais, consideradas não generalizáveis e contingentes, e que manifestam regularidades da organização social. Se a criança faz esta distinção, por que razão não a efectuaria o próprio adulto? Não poderá ele singularizar no seio dos diversos ensinamentos filosóficos ou religiosos que recebe, essa parte maior de imperativos morais universais que se encontram em comum ao nível de todos os representantes da espécie, colocando em segundo plano as convenções, rituais, práticas simbólicas, de origem cultural e eminentemente relativos?"
Jean-Pierre Changeux, Uma Mesma Ética para Todos?

Patrícia Figueiredo e Telma Romeira , 10º A1
_________________________________________________
Pensamentos de Guerra
Ai Timor - Luís Represas


Lavam-se os olhos, nega-se o beijo
Do labirinto escolhe-se o mar
No cais deserto fica o desejo
Da terra quente por conquistar

Nobre soldado que vens senhor
Por sobre as asas do teu dragão
Beijas os corpos no chão queimado
Nunca terás o nosso perdão

Ai Timor
Calam-se as vozes
Dos teus avós
Ai Timor
Se outros calam
Cantemos nós

Salgas de ventres que não tiveste
Ceifando os filhos que não são teus
Nobre soldado nunca sonhaste
Ver uma espada na mão de Deus

Da cruz se faz uma lança em chamas
Que sangra o céu no sol do meio dia
Do meio dos corpos a mesma lama
Leito final onde o amor nascia


«O que é a Guerra? De que se necessita para triunfar em operações militares? Quais são os costumes da sociedade militar? A finalidade da Guerra é o homicídio; Os seus instrumentos, a espionagem, a traição, a ruína das populações, o saque e o roubo para os abastecimentos do exército, o engano e a mentira, ditos astúcias militares; Os costumes da classe militar são a disciplina, o ócio, a ignorância, a crueldade, a libertinagem e a bebedeira, ou seja a falta de liberdade. Apesar de tudo isto, essa classe superior é por todos respeitada. Todos os Reis, excepto o da China, usam uniforme militar e concedem as maiores recompensas a quem tiver matado mais gente… Os Soldados encontram-se como, por exemplo, amanhã acontecerá, para se matarem uns aos outros. Matar-se-ão e mutilar-se-ão dezenas de milhares de Homens e, a seguir, serão celebradas missas de acção de graças, pois foi exterminada muita gente (cujo numero é costume também exagerar) e proclamar-se-á a vitória, na crença de que o mérito é proporcional ao número de homens mortos. »
L. Tolstoi, Guerra e Paz

Cláudia Guedes, Daniela Pereira, 10º A1

Sem comentários:

Enviar um comentário